quinta-feira, 5 de julho de 2012

COMO UM VÍCIO

Vadia,
você me deixa louco!
Vai se apoderando de mim,
manda lamber a sua boca,
chupar a sua língua,
morder sua nuca arrepiada,
depois, me chuta,
me expulsa do seu quarto.

Cretina,
não sei o que sinto,
te quero como vício,
não sei te deixar, vou te seguindo.
Dou meu mundo pra você,
te amo como um drogado,
um dependente das esquinas.

Safada,
eu te quero feito um bicho,
tomo seu corpo nos meus braços
te como esfomeado como fruta,
veneno de suicida que não mata, nem sacia,

Vaca,
lambo suas coxas, te viro e desviro,
te amo como um perdido num temporal
agua de sedentos, doce de criança,
paraíso de pecador, objeto de cobiça.

 Piranha,
olha nos meus olhos
pede pra gozar
olhando a sua cara,
transpiro seu cheiro pelos poros,
sai pela noite com seus vestidos de puta,
me usa quando precisa,
depois me sacrifica.

Vagabunda,
salivo na sua virilha,
me lambuzo,
mordo seus mamilos enrijecidos,
e esfrego minha língua.
Indefesa, geme aos gritos,
estremecida de tesão.
Me expulsa da sua cama,
sem compaixão, me oferece a madrugada,
estendida sobre a cama, violentada.  


Marcos tavares