quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

ANDAR DESCALÇO


Não quero nada do futuro
que me tire deste agora,
tenho ânsia desta hora
e desta terra
que me ampara.

Prefiro olhar a paisagem
deste momento por este retrato,  
do que tirar fotografias
pra lembrar imagens
que já passaram.

Não quero nada do passado,
escombros que me moeram,
ficaram duros como pedras
e no meu encalço doeram
pesando nos meus  ombros
que já sangraram.

Quero só esta tarde livre,
pra poder andar descalço
e ouvir esta musica que escuto
no lugar do barulho dos homens
que (um dia) já cantaram.



Marcos tavares