sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

AVARIAS DO MEU SER

Eu nem sabia!  
temia ser:
as tuas mãos.
E da luz dos teus olhos
irradiarem
os meus dias.

Eu nem podia
(sendo incerto)
hospedar-me em ti,
sendo eu,
velejador de ventos hostis,
declarar o amor que havia.

Nem mesmo tinha,
em meio a ermos horizontes,
caminhos em mim
e em teus casulos percorri
as avarias do meu ser.



Marcos tavares