quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Fernando Pessoa

Todas as cartas de amor são ridículas