quarta-feira, 26 de novembro de 2014

PASSARELA DE TOLOS

Já não tenho mais saco                                             
para pessoas amarguradas
aquelas que não sabem se perdoar
que culpam o mundo 
por não ter sido melhor para elas
que condicionam sua felicidade,
atrelada aos seus sonhos estúpidos

Já não consigo mais 
sentar na mesma mesa de bar
dos idiotas anestesiados 
pela imagem de si
pessoas estéticas
que não se aceitam como são
que buscam prêmios idiotas
por suas proezas desvalidas,

O que eu quero 
é rir das minhas cagadas
gargalhar, até doer o estomago, 
das besteiras que fiz
e me aceitar como sou, 
quero interagir com minha fragilidade
com todos os defeitos e derrotas
e por fim deixar sair toda a mágoa
que ganhei inutilmente 
por me imaginar um dia
ser um fantoche 
de uma passarela de tolos.

Marcos Tavares