quinta-feira, 1 de agosto de 2013

LUGAR ALGUM

Navegar sem leme
e sem rumo certo,
não hospedar nos olhos
lugar algum
e só encontrar o deserto
que restou em mim.

Derramar nos poros
o teu verso náufrago,
sem bálsamo e lenitivo
sem amenizar
o afogar definitivo

Não ter ilhas, cais,
nem beira de mar.
Somente o medo
de não mais
poder me ancorar.

Vagar na planta dos pés
com ânsia de me isolar.
Só levar comigo 
o mapa dos teus olhos.


Marcos tavares 

foto de Talita