domingo, 14 de setembro de 2014

RASURAS

Esta dor é minha,
ninguém verá suas rasuras,
não haverá testemunha,
desta alma  que  definha.

Esta sina é minha.
deixe escorrer,
varrer quintais,
buscar sentido pra perecer.

Não tente entender
sondando meu caminho
o falso destino
que quis seguir

Feche os olhos
(não suportando ver)
os reais motivos             
de eu me ferir

Deixe  pulsar, supurar
o que meu peito suportar
deixe jorrar da jugular
o que  meu sangue  revelar

Deixe partir, doer...
se perder pelo chão,
me despedaçar, moer
arrancar do coração
o que faltar pra chorar.

Marcos tavares